• Página Inicial
  • Ano Letivo
  • Artigo de Opinião

Susana Neves

A nossa Língua Materna…


 

Susana Neves

Professora de
Português

 

A nossa Língua Materna é o nosso rosto, a nossa pele, o nosso odor; representa os motivos que nos fazem querer agarrar o Sol, apagar as estrelas ou aquecer a Lua. Por tudo isto, acreditamos, aqui, no ICE, hoje e sempre que cada Língua Materna só pode ser a melhor do mundo!

 

 

 

A nossa Língua Materna só podia ser a melhor do mundo, ou não fossemos nós, os portugueses, o Povo escolhido por Deus para unir os mares, ou não fossemos nós uma nação de poetas e de outros Saramagos, a nação do Quinto Império.

A nossa Língua Materna só podia ser a melhor do mundo, porque apenas em português é possível, com paninhos quentes e línguas de perguntador, fazer um negócio da China, ali bem rés-vés Campo de Ourique, enquanto se tira o cavalinho da chuva.

A nossa Língua Materna...

Cada Língua é o retrato cultural e linguístico de um Povo e, por isso, deve ser preservada em cada uma das suas sílabas e amada em cada um dos seus sons. A Língua Materna cheira à cor da terra do seu Povo, sabe aos seus frutos e ecoa as suas melodias. Por exemplo, a língua portuguesa nunca deixará de rimar com os acordes do Fado, com as lágrimas da Saudade e com os pés do Cristiano Ronaldo. Preservar a diversidade linguística de um Povo é pegar em armas e lutar contra a sua extinção, fomentando a tolerância e o respeito pelos seres humanos.

A nossa Língua Materna não pode ser mais um Adamastor, nesse que é o mar da exclusão social e cultural com que tantas vezes nos deparamos. Consequentemente, este ano, no Dia Internacional da Língua Materna, propôs-se uma reflexão acerca da utilização da tecnologia para a aprendizagem multilingue, mas sem se descurar a Língua Materna, enquanto componente chave da inclusão na educação. É possível aspirarmos à inclusão, preservando as diferenças e especificidades linguísticas e culturais de cada Povo.

Ora, no ICE, todos os dias celebramos a diversidade, a inclusão e a tolerância; destruímos muros que nos afastam necessariamente uns dos outros; construímos pontes que nos permitem contribuir para um projeto educativo comum, com a certeza do respeito pelas nossas particularidades. Afinal, a Escola não pode deixar de ser um espaço de partilha! Por isso, partilhamos afetos em forma de palavras e valorizamos a palavra como a forma mais genuína de partilhar afetos. Cruzamos culturas e tradições, assentes na diversidade que caracteriza e enriquece a nossa comunidade escolar.

A nossa Língua Materna é o nosso rosto, a nossa pele, o nosso odor; representa os motivos que nos fazem querer agarrar o Sol, apagar as estrelas ou aquecer a Lua. Por tudo isto, acreditamos, aqui, no ICE, hoje e sempre que cada Língua Materna só pode ser a melhor do mundo!.  

  

Redes Sociais